Os textos deste blog estão sob licença

Creative Commons License

sexta-feira, 24 de julho de 2009

A manchete que a imprensa escondeu

Imagine o seguinte acontecimento: dois Ministros de Estado de um grande país latinoamericano – um deles candidato a presidente nas próximas eleições presidenciais – viajam a Washington para um fórum econômico de cúpula que reúne os assessores para Segurança Nacional dos EUA, Jim Jones, e o para Assuntos Econômicos Internacionais, Michael Froman, além de 20 representantes de algumas das maiores empresas e grupos financeiros dos dois países, como Coca-Cola, Motorola, Cargill e Citibank. O presidente norteamericano Barack Obama decide prestigiar o evento, dele tomando parte por cerca de meia hora.

À saída, não apenas o ministro-candidato anuncia o “forte apoio” de Obama à intensificação do comércio entre os dois países e ao combate mútuo ao protecionismo, mas o próprio presidente dos Estados Unidos, que a princípio não deveria se pronunciar (na verdade, sequer costuma participar de reuniões desse tipo), faz questão de fazer uma declaração, na qual enfatiza a importância da relação bilateral entre os dois países.

Desnecessário dizer que, em linguagem diplomática, o “gesto espontãneo” de Obama tem significação clara: sinaliza a primazia do tal país latino-americano como parceiro regional. Como a confirmar tal significação, ato contínuo, o influente Council on Foreign Relations divulga nota em que sugere olhar o tal país latinoamericano “como intermediário em questões de segurança regional", pois ele “está aprendendo a equilibrar diplomacia comercial e política de modo sem precedentes".

No dia seguinte, obviamente, o assunto domina as manchetes dos grandes jornais e é explorado à exaustão pelo noticiário televisivo do país latinoamericano. Nas edições imediatamente seguintes, economistas, cientistas políticos e experts em profusão debatem as implicações, imediatas e a médio prazo, do encontro de cúpula em Washington, avalizado por ninguém menos do que o presidente da (ainda) maior potência mundial.


A imprensa descompromissada
Acontece que o país latinoamericano em questão é o Brasil, um lugar em que a imprensa, em sua maioria, tem simplesmente abdicado de seu papel de informar e questionar, preferindo agir como partido político. Para piorar, liderou a missão brasileira em Washington a ministra-candidata Dilma Rousseff, contra quem até fichas policiais falsas foram utilizadas na tentativa de denegri-la. Portanto, ao invés de manchetes, esquálidos parágrafos; no lugar de debates, um epifânico silêncio. A se basear na “grande imprensa” nativa, é quase como se os desdobramentos surpreendentemente positivos do Fórum de CEOs Brasil-EUA da segunda-feira, 21 de julho, não tivessem ocorrido.

Mas, além da imprensa norteamericana – que publicou dezenas de artigos e análises sobre o encontro -, boa parte da mídia internacional demonstrou-se muito mais atenta ao caso, fornecendo até detalhes do evento e estendendo a cobertura aos encontros de Dilma com o Secretário do Tesouro norte-americano, Tim Geithner, com o assessor econômico de Obama, Larry Summers, e com o Secretário de Comércio, Gary Locke, este ocorrido no encontro entre as câmaras de Comércio dos dois países, pela ministra coordenado.

A imprensa latinoamericana, em especial, revelou-se muito mais interessada do que os jornais brasileiros. O DiarioCritico, do México, publica uma alentada reportagem, com farta informação e direito a foto da ministra; o Buenos Aires Herald chega a ser mais específico, assinalando que “Os CEOs recomendaram que os EUA eliminassem suas tarifas para importação do etanol, mudança que beneficiaria o Brasil, mas que enfrenta grande oposição dos plantadores de milho norte-americanos”. De acordo com a agência de notícias Ansa Latina, um porta-voz norte-americano teria declarado que “Washington e Brasilia nunca tiveram uma relação tão ‘forte’ e que isso se deve à afinidade de opiniões entre os mandatários”.

A declaração de Dilma Rousseff de que ambos países devem trabalhar com "ênfase especial” em áreas relacionadas a biocombustiveis e cooperação científica e tecnológica foi destacada em matéria do site Mendonza On Line, que também ouviu o Secretário de Comércio Locke. Ele, por sua vez, ressaltou a "sociedade" entre os dos países, em particular para incentivar investimentos privados no Haiti e em várias nações africanas. Até a imprensa de países que não estão sequer na esfera geopolítica do tema, como França e Alemanha, deram mais atenção à cúpula do que a imprensa brasileira. O site informativo francês Autorecrute salientou na cobertura que “O comércio bilateral entre Estados Unidos e Brasil aumentou para 63,4 bilhões de dólares em 2008”. Pelo jeito, atingimos um ponto em que, por vezes, devido a interesses essencialmente políticos, a mídia mundial interessa-se-mais por questões brasileiras do que a própria mídia nativa...


Desinteresse ostensivo
No Brasil, o desinteresse foi ostensivo, Nos jornalões, nenhuma manchete de capa. Fotos? A única que este observador deve a oportunidade de ver – autêntica, e não referente ao encontro anterior entre Obama e Dilma, em que a ministra era parte da entourage de Lula, e que foi utilizada para ilustrar diversas matérias internacionais - estava, um tanto surpreendentemente, no portal Yahoo. O Estadão e os menos prestigiados Diário do Comércio e Correio do Povo ainda produziram uma matéria de uma lauda cada um, escondidas longe das manchetes.

A cobertura mais ardilosa foi, uma vez mais, da Folha de S. Paulo, que se valeu de um expediente editorial que se tem tornado recorrente no jornal quando quer “esconder” uma notícia: utilizar títulos que simplesmente não permitem ao leitor correlacioná-los ao tema que tratam. Dessa vez, a titulagem não dá a mínima margem para que o leitor adivinhe que a matéria é sobre o evento de comércio binacional: “Petrobrás pode assumir todos os blocos do pré-sal, diz Dilma”. O texto do usualmente bem informado e eclético Sérgio Dávila é um primor de dissimulação e contradições. Vejamos:

“À tarde, enquanto o grupo se reunia na sala do assessor de Segurança Nacional obamista, James Jones, o presidente Barack Obama apareceu no local.

Segundo relatos, ele foi simpático, mas protocolar. Perguntou aos empresários as principais dificuldades nas relações bilaterais. Disse que o país era parceiro estratégico não só em questões bilaterais mas também em regionais e globais e ressaltou a intenção de aprofundar a colaboração em biocombustíveis, na ajuda à África e ao Haiti e no combate à mudança climática”.

Relevemos que “assessor de Segurança Nacional obamista” e “assessor de Segurança Nacional dos EUA” – como a imprensa internacional se refere ao ocupante do cargo - sugerem coisas e posições hierárquicas consideravelmente diferentes, e que a duvidosa primeira denominação não permite a priori afirmar que Jones “ocupa uma das posições mais poderosas no país”, como atestou, quando da nomeação de Jones, a Time magazine. A denominação oficial do cargo é “National Security Adviser”, e não inclui, é claro, nenhuma referência a Obama. Parece-me lícito deduzir que seu ocupante, embora naturalmente nomeado pelo presidente, serve contratualmente ao país. O que vocês acham?

Como mais uma demonstração de boa vontade analítica, participemos também, como faz o colunista, da brincadeira de fazer de conta que Obama “apareceu” no local. Afinal, é divertido supor que o presidente dos EUA gosta de enlouquecer sua entourage e o Serviço Secreto, improvisando seus atos a todo momento.

Agora, a sério, vamos à pergunta que não quer calar: Obama teria sido “Simpático, mas protocolar”? A descrição da performance do presidente norte-americano no encontro, perpetuada no próprio texto de Dávila, contradiz a afirmação que o jornalista faz na abertura do parágrafo. Senão, vejamos: um dos homens mais poderosos do mundo adentra, alegadamente por vontade própria, uma reunião de cúpula, enche os empresários de perguntas, ressalta a intenção de aprofundar colaboração com o Brasil em nada menos do que quatro áreas estratégicas e faz,ainda, questão de afirmar (em público, o que a matéria omite) que o país é “parceiro estratégico não só em questões bilaterais mas também em regionais e globais” – e isso é ser “protocolar”? O que o colunista esperava, que Obama sapecasse uns beijos na Dilma?

A Folha oferece, ainda, uma sub-retranca que, uma vez mais, repete o truque da titulagem dissimulatória, dessa vez não permitindo sequer que se deduzisse qualquer interação com entes diplomáticos brasileiros: “Empresário dos EUA condenam tarifa ao etanol”.

Mesmo na blogosfera a cobertura foi decepcionante, a ponto de Luís Nassif transformar em post o comentário do internauta Clovis Campos protestando: “Nenhuma informação em lugar nenhum”. Nos 42 comentários que se seguem ao post, nenhum link para blog sobre o tema, com a exceção óbvia dos para-oficiais (intitulados “os amigos do presidente Lula” e, falta de imaginação, “os amigos da presidente Dilma”). No restante da blogosfera, há reproduções de despachos de agências e das matérias citadas acima, mas se encontram – com o perdão do trocadilho - virtualmente ausentes textos críticos. O Blog Por Simas ao menos conseguiu difundir a lista das empresas brasileiras que tomaram parte do encontro, ausente das reportagens: “Gerdau, Vale, Embraer, Coteminas, Odebrecht, Votorantim Participações, Sucocítrico Cutrale, Camargo Côrrea, Stefanini IT Solutions e Banco Safra”.


Ciclo de omissões
É lícito lembrar, ainda, que esse ciclo de omissões ocorreu no meio de uma semana particularmente pobre de grandes assuntos, na qual, estivesse o jornalismo brasileiro funcionando em condições normais de temperatura e pressão, tais fatos diplomático-comerciais teriam tudo para ser manchete dos grandes jornais, com destaque para a tradicional fotografia dos protagonistas se cumprimentando – afinal, trata-se, no mínimo, de um momento histórico para o comércio entre os dois países. Como explicar essa omissão da mídia ante um fato notório por si mesmo e que fornece tantos elementos para a discussão das relações Brasil/EUA e do realinhamento geopolítico do país em relação ao continente americano?

Há três hipóteses principais:

1) O fato não é relevante a ponto de merecer a devida atenção de nossa mídia, ocupada com denúncias mais sérias;

2) Nossa mídia é incompetente, e não foi capaz de avaliar a importância de um encontro de cúpula entre a nata do empresariado norte-americano e brasileiro com a alta burocracia dos dois países, nem de apurar que o presidente dos EUA participaria do encontro e a seu respeito se pronunciaria publicamente, conferindo-lhe importância diplomática incontestável;

3) Nossa mídia deliberadamente boicotou o evento por motivações políticas, preferindo omitir de seus leitores informações de extrema relevância para o futuro do país. Por quê? Por ser este comandado por uma ministra que é a principal opção eleitoral das forças políticas as quais, como se partido político fosse, essa mesma mídia tem sistematicamente repelido.

Vamos por eliminação: os caros leitores que têm fresca na memória as reportagens de capa (e com direito a fotos) dos grandes jornais com Pedro Malan e Armínio Fraga – de sobretudo, é claro - se reunindo com algum sub do sub do sub em Washington, que proliferaram durante as presidências de Fernando Henrique Cardoso, sabem que, devido ao número e à patente das autoridades envolvidas, o Fórum dos CEOs, vitaminado pela participação do presidente dos EUA é, comparativamente, muito mais importante. Portanto, descartemos a hipótese 1.

Sobram, portanto, duas hipóteses, que não oferecem elementos para serem categoricamante descartadas a priori: a incompetência de nossa mídia ou sua omissão por razões político-eleitorais. Minha impressão pessoal é que, a despeito do atraso técnico e dos seguidos episódios de violação da ética jornalística (que não deixam de ser uma forma particulamente nociva de incompetência), esta última não é tão grave em nossa imprensa a pon to de ignorar um fato diplomático de primeira grandeza.


Por que a cortina de silêncio?
Mas deixo aos leitores a tarefa de julgarem por si mesmos, oferecendo, em contrapartida a tão dilacerante esforço, sábias reflexões do jornalista Perseu Abramo acerca da omissão na mídia, que ele interpreta como estratégia primordial dos grandes grupos de imprensa para desinformar e, assim, manipular o leitor/espectador. Segundo trecho de seu livro Padrões de Manipulação da Mídia citado no blog do sempre combativo Altamiro Borges, trata-se de:

“Um deliberado silêncio militante sobre determinados fatos da realidade. Esse é um padrão que opera nos antecedentes, nas preliminares da busca da informação, isto é, no ‘momento’ das decisões de planejamento da edição, naquilo que na imprensa geralmente se chama de pauta... O padrão da ocultação é decisivo e definitivo na manipulação da realidade: tomada a decisão de que um fato ‘não é jornalístico’, não há a menor chance de que o leitor tome conhecimento de sua existência por meio da imprensa. O fato real é eliminado da realidade, ele não existe”.

Se por leniente incompetência ou se por má-fé eleitoreira, o fato é que a cobertura acanhada e des-hierarquizada do encontro de Dilma e Obama, além de manter desinformado o público leitor que a mídia tem por obrigação informar, é indicadora de um estado de coisas e de uma perspectiva futura temerária. Pois, se para episódios aparentemente menos consequentes envolvendo Dilma Rousseff o método adotado foi esse - transformar uma possível manchete em um fato menor, quase um não-fato -, tem-se uma idéia do que pode vir a acontecer quando os ânimos se acirrarem ao longo do pedregoso caminho que leva às eleições de outubro do ano que vem.


É preciso vigiar a mídia
Tenho sentido, ultimamente, uma certa tendência ao cansaço à crítica à mídia, a difusão de uma atitude de “deixa pra lá” e de “eles que se danem” em relação à ação da “grande imprensa”. Considero essa mentalidade – e a prática a ela associada – perigosíssima, uma fonte potencial para deixar a mídia deitar e rolar nas próximas eleições, não apenas tentando impor seus candidatos, mas o fazendo com os métodos e conluios que são nossos velhos conhecidos.

Por isso, insisto uma vez mais: é preciso refrear a euforia inconsequente que toma conta da blogosfera e substituí-la por uma marcação cerrada e articulada das práticas da mídia, pelo menos até as próximas eleições. Do contrário, eles locupletar-se-ão.


(Imagem retirada daqui)

7 comentários:

Raphael Tsavkko Garcia disse...

Post excelente! Em todos os aspectos, conclusão melhor ainda, um aviso importante e direto! PArabéns, Caleiro, esta foi uma de suas melhores postagens!

Hugo Albuquerque disse...

Os jornalões querem eleger Serra, esse é o fato. A maior ameaça para o jornalismo brasileiro, mais do que as crises de modelo e de financiamento, é a partidarização do próprio discurso jornalístico. O próprio Nassif, aliás, cantou a bola dos interesses por detrás desse apoio a Serra, mas isso, meu caro, será um tiro no pé de um jeito ou de outro.

Maurício Caleiro disse...

Obrigado, Raphael!

Como costumava dizer Tom Jobim, elogios frontais são irrespondíveis (rs). Mas o importante é que fiquemos atentos para com o comportamento da mídia.


Hugo,
O Nassif, sem dúvida, está fazendo um grande trabalho de desmistificação dos verdadeiros interesses por trás da atuação da mídia.
Quem me instigou a escrever este post - via Tweeter - foi um novo amigo, Carlos Lessa. Mas onde primeiro li sobre isso deve ter sido no Nassif (e eu tinha esquecido disso, quando estava finalizando o post é que lembrei e fui lá conferir).

Valeu, pessoal.

Flávio disse...

Só uma correção: a respeito do volume do comércio bilateral, que você citou de um site francês, tratam-se de bilhões, milliard em francês, e não "milhões", como você tinha se referido. Um erro normal, por se tratar de um falso cognato.

De resto, sintetizou muito do que pensei. Não é a primeira vez que a imprensa paulista (ou nacional, já que a paulista é a nacional) faz isso. O pres. Lula recebeu um prêmio da Unicef concedido a várias personalidades que se tornaram, mais tarde, laureados do Nobel da Paz, e tal fato não mereceu mais que um artigo secundário no Estadão.

Já o prêmio picareta que Serra recebeu de uma ONG brasileira chefiada por uma estelionatária; prêmio que ele alardeara como sendo da ONU (e depois de "uma afiliada ao Sistema ONU", e depois mais nada -- pra não piorar o papelão) foi manchete da Folha e do Estado.

Tudo bem: há muito tempo as pessoas não confiam muito nesses jornais -- embora não devamos tirar todos os seus méritos. Quem foi atrás de variedades de fontes entendeu bem o ocorrido.

Parabéns pelo blog.

Um abraço.

Maurício Caleiro disse...

Flavio,

Tem razão, sou péssimo com esses números em francês (rs.)

O caso dos prêmios de Lula e de Serra são muito ilustrativos do modus operandi da imprensa (acho que nacional, e não só paulista...).

Bem-vindo ao blog e apareça.

Paulo Morais disse...

Olá Maurício, belo post.

Também encaro de forma crítica a euforia existente na blogosfera em relação à putrefação da mídia e a banalização da crítica generalista à imprensa. Vejo que muitos blogs criticam a grande imprensa mas continuam reforçando o discurso dela, na medida em que comentam e repercutem os assuntos que estão impressos nas manchetes. Mesmo que seja para descontrui-las, repercutir as manchetes dos jornalões contribui para colocar aquele discurso na centralidade das discussões.

O papel dos blogueiros, se querem desmantelar o poderio da mídia, tem que ser propositivo. Propôr novas discussões, sobre temas que não estão nos jornalões. Quebrar a lógica de auto-referência da grande imprensa, onde o que vale para um jornalão é só aquilo que está no outro.

A gente vê aqui no interiorzão de Minas os jornais locais copiando a lógica dos grandes e repercutindo a gripe suína, a morte do Michael Jackson e várias outras baboseiras no cotidiano da cidade - como se isso tivesse alguma importância para alguém. E tem muito blog fazendo a mesma coisa por aí. Não cobre o que acontece na esquina - e continua perpetuando a repercussão daquilo que tem "interesse jornalístico", mesmo que não tenha interesse pra ninguém.

Abraços e parabéns pelo blog.

Maurício Caleiro disse...

Paulo,

Sem dúvida. Quanto mais pesquiso blogs, mais fico espantado com o quanto um grande número deles se limita arepetir a mídia. É uma lástima que isso aconteça, porque, como você mesmo diz, o papel deles deveria ser propositivo. Ainda bem que há um número crescente de blogs de qualidade, onde impera a inteligência ea criatividade,

Citar a mídia de uma forma critica é lícito, mas simplesmente reproduzi-la não faz sentido na blogosfera.

Fiz uma visita rápida ao seu blog e acheimuito interessante, voltarei mais vezes.

Um abraço,
Maurício.