quarta-feira, 18 de março de 2015

Guia Militonto para Desqualificar Protestos

Centenas de milhares de pessoas saíram às ruas protestando contra o governo que você venera?


Não se aflija, aqui damos todas as dicas para você reagir do modo mais democrático: desqualificando os protestos e os manifestantes:


1) Culpe a mídia.


2) Diga que só teve classe média coxinha e demais não-cidadãos.


3) Escolha os cartazes mais absurdos, classistas, retrógrados e sem noção e associe toda a multidão à ideologia que apregoam.


4) Use um critério racial diferenciado: quem não for retinto, é branco. E rico.


5) Lembre-se: um bom Photoshop vale mais que mil palavras: faça desaparecer os cartazes sensatos, dê uma embranqueçada geral nas pessoas, coloque drinks com guarda-chuvinha na mão delas; desenhe bigodes de Hitler nos rapazes e polvilhe uns símbolos proibidos aqui e ali.


6) Culpe a mídia (mas não mencione a Secom, porque alguém pode divulgar a fortuna que o governo repassa às empresas de comunicação e pegar mal).


7) Minta sobre o tamanho da Paulista. Se alguém falar em 2,8 Km solte um “QUE ISSO!?” indignado e, de bate-pronto: “Nem a metade disso!”, emendando com um marketing básico: “E a parte central tá toda em obras: o Haddad vai implementar as ciclovias. Coisa de primeiro mundo!"


8) Cite o menor público possível, mesmo se o único instituto que o afiancie seja ligado àquele jornal da ditabranda e tenha, sempre, chutado pra baixo o número de participantes dos movimentos da esquerda.


9) Faça um vídeo: entreviste só a Opus Dei, populares com aparência de psicopata, defensores do golpe militar, gente que leva o Aécio a sério. Edite de modo a dar impressão que os outros 99,8% dos participantes são assim. Ah, e coloque ao fundo uns efeitos sonoros de comício nazista.


10) Faça como o grande lider deputado Sabá: atribue tudo a armação da CIA: IANQUES, GO HOME!


11) Classifique os protestantes com rótulos pregnantes: “Coxinha”, “Bebedor de Black Label”, “Patricinha com faixinha”, “Playboy indignado”, “Frequentador de sanduicheria”, "Sommelier de ceviche", “Ruralista escravocrata” (não, pera...).


12) Denuncie todo o tempo o GOLPE iminente, dizendo coisas como “isso sempre acontece quando o povo está no poder”.


13) Minta que você fez uma pesquisa entre os manifestantes e deu: Melhor Artista: Lobão; Melhor grupo: Engenheiros do Hawaii; Melhor cantor: Agnaldo Timóteo; Menção honrosa: Dom e Ravel.


14) Indigne-se com a indignação coletiva contra o Petrolão, bradando: “E sobre a água, nada?”, “Me engana que são todos honestos...”, “Quando vão protestar contra os trens do Alckmin?”


15) Culpe a mídia (mas não dê um pio sobre sua regulamentação, porque alguém pode lembrar que o PT dá no poder há mais de 12 anos e nunca mexeu uma palha nesse sentido). 

16) Tenha semprem em mente a lição do marqueteiro oficial: debate civilizado é para os fracos; o negócio, na democracia, é desqualificar. 

P.S. "A pedidos", incluo mais um item: Frisar que SÓ NESSES PROTESTOS se vê socialites com peitos turbinados de fora, coisa raríssima no Brasil.


(Imagem retirada daqui)

Um comentário:

Arnaldo disse...

Deixa ver se eu entendi:
é pra protestar contra a corrupção e impunidade, pedir o impeachment da presidente, e passar o poder para... o PMDB (conforme está na constituição)

Ou somos descerebrados o bastante para querer uma intervenção militar (dívida externa de 4 para 80 bi em 20 anos, Golbery + corretora Laureano, joias do Abi Ackel, caso Araceli, Coroa-Brastel, ponte Rio-Niterói, Shigeaki Ueki... acho que tem um limite de caracteres, melhor googar)