terça-feira, 9 de novembro de 2010

O que penso sobre o caso Enem

A polêmica sobre o Enem, deflagrada no último final de semana, tem acirrado ânimos de uma forma tal que, seja entre seus críticos ou entre seus defensores, a razão e o bom senso têm sido as principais vítimas.

Um dos argumentos mais repetidos ao longo da polêmica é que, por se tratar de um problema que só teria afetado uma ínfima parcela percentual dos que prestaram o Enem - de 0,04 a 0,06%, a depender da fonte consultada -, a falha seria pouco significante. Trata-se de um argumento tão lógico quanto falacioso. Pois, evidentemente, só é possivel aferir a gravidade de um fato a partir de dados percentuais se se leva em conta a dimensão numérica da amostra. Ou seja, numa classe de aula com 40 alunos, por exemplo, é absolutamente insignificante algo que incida sobre 0,05% da amostra; mas se pensarmos num desastre natural - digamos, um tsunami - que atingisse fatalmente 0,05% da população brasileira, constataríamos que quase 100 mil pessoas morreriam - o que seria, sob qualquer critério, um desastre de enormes proporções, com manchetes no mundo todo.

Como o universo total de prestadores do Enem é da ordem de 10 milhões de jovens, portanto, a priori, não se pode descartar o problema ocorrido no exame apenas com base em dados percentuais.


Insegurança geral
Outro dado importante a se levar em conta é que o dano sequer se limita ao universo de 4,5 mil alunos diretamente prejudicados - pois, como os problemas ocorreram no sábado, primeiro de dois dias de exame, a divulgação de sua ocorrência instaurou um processo de insegurança psicológica que certamente afetou um contingente bem maior de alunos - o que persiste agora, com a incerteza jurídica a respeito de sua validade.

Esses são problemas reais, efetivos e de grande dimensão. Fechar os olhos para isso, atribuindo a reação tão-somente à oposição intransigente e ao PIG malvado, como tantos vêm fazendo na internet, equivale a adotar a tática-avestruz, enterrando a cabeça na terra para não ver nada.

Mesmo porque,em qualquer lugar do mundo, a imprensa "cairia matando" - e com razão - contra um ministério que, pelo segundo ano consecutivo, prejudica milhares de estudantes no momento crucial de se qualificarem para entrar na universidade. Que, no Brasil, a mídia que se confunde com a oposição alcance os trinados de histeria golpísta em relação ao tema é algo a denunciar e refutar, mas não surpreende nem, de modo algum, torna o caso menos grave.


Enem contraria interesses
Por outro lado, é evidente que, como Stanley Burburinho e outros vêm seguidamente argumentando na tuitosfera, é do interesse de diversos setores da elite boicotar e se possível provocar o fim de um exame que reconhecidamente aumentou o grau de democratização do acesso ao ensino superor, convertendo-se em meio de ingresso à universidade para segmentos historicamente segregados. Não se pode, portanto, descartar a hipótese de sabotagem proposital contra o exame - assim, as investigações devem contemplar todas as hipóteses, ainda mais por se tratar de problema reincidente (embora não exatamente da mesma natureza do havido o ano passado).

Ocorre, porém, que justamente pelo montante de interesses contrários que o exame desperta - e por tal possibilidade de sabotagem estar há mais de um ano no horizonte -, o Ministério da Educação tinha por obrigação redobrar a vigilância e assegurar a excelência do Enem. Ao, na prática, não fazê-lo, parece inevitável que o ônus por tal falha recaia sobre o ministro Fernando Haddad.


Questiúncula eleitoral
Chegamos, assim, ao mencionar o nome do até então possivel candidato petista à Prefeitura de São Paulo em 2012, a uma razão agravante não só para a virulência da mídia partidária - em seu eterno jogo de derruba-candidato-lulista -, mas da reação dos setores esquerdistas na internet e fora dela, os quais reavivem o irrespirável clima das eleições presidenciais.

Ora, é preciso uma boa-fé de Pollyanna para acreditar que o caso não provocará efeitos danosos à candidatura do ministro. Quer queira, quer não, mídia, oposição e amplos setores da população do mais conservador estado da federação vão cobrá-lo incessantemente por conta de uma falha reincidente que afeta milhares de alunos - e não serão tags de apoio no Twitter que vão redimi-lo.


Enem sim, incompetência não
Ademais, com exceção do papel eleitoral da imprensa - que deve ser sempre denunciado e combatido -, não se trata de algo que surpreenda: o mesmo se daria, em qualquer país do mundo, com um ministro-candidato que, por dois anos seguidos, se mostrasse incapaz de gerir com competência um exame destinado a selecionar, entre 10 milhões de jovens, aqueles que ingressarão no ensino superior.

Mas a ilusão, esse veneno eleitoral, consome quem quer ser consumido. Como o compromisso desse blog é com o jornalismo e com políticas progressistas - e não com um partido ou com a campanha do candidato x ou y - preferimos manter a cabeça acima da terra: a luta para a manutenção do Enem é primordial e necessária, mas transcende e não deveria se confundir com questiúnculas partidárias nem abrir mão de critérios de excelência na aplicação do exame.

4 comentários:

qualquergordotemblog disse...

Sem dúvida um post sensato e equilibrado sobre o que está ocorrendo com o ENEM. Meus parabéns. Gostei do texto.

Silvana disse...

Ufa, estava esperando por este seu post. Muita histeria de todos os lados é o que tenho percebido na questão do ENEM e do Ministro Haddad. Concordo que o INEP deu mole mais uma vez, mas por outro lado é possível resolver o problema sem refazer a prova para todos os candidatos. Depois de todo o forfé, não há solução perfeita, há só soluções mais ou menos traumáticas, e invalidar a prova toda é certamente a mais traumática de todas. Quanto ao Haddad, quem viu a entrevista dele no Bom Dia Brasil ontem sabe que ele segura a onda, não há por que temer tanto assim a pressão da imprensa (que não deixa de ter lá suas segundas e terceiras intenções).

Anônimo disse...

Quanto custa realizar uma nova prova para todos? Será que a juíza federal de Fortaleza pensou nisso? É grana pública, todos nós pagaremos. Se o erro estava em menos de 1% das provas (e é impossível conferir mais de três milhões de cadernos de provas para eliminar a possibilidade de erros), é mais fácil refazer a prova pra esse 1% de alunos - já que foi um erro local, também.

Absinto Muito disse...

Passamos e gostamos do blog. Gostaríamos que, se pudesse, também conhecesse o nosso. Um abraço!
http://absintomuitorock.blogspot.com/