terça-feira, 4 de dezembro de 2012

O PSDB contra o país, uma vez mais

O fato de, no campo conservador, José Serra ter praticamente monopolizado as eleições majoritárias dos últimos anos, com seu estilo truculento, sem limites e adepto das piores baixarias, fez com que alguns analistas, mesmo entre os chamados blogueiros progressistas, acreditassem que o PSDB tenderia a renascer como partido de oposição programática uma vez livre dele, sem espaço na agremiação após sucessivas derrotas eleitorais.

Só faltou combinar com os russos, como diria o grande filósofo Garrincha. O anúncio, feito hoje à tarde, de que o governador Geraldo Alckmin (PSDB/SP) manteve a decisão de não prorrogar os contratos de concessão da CESP, criando um obstáculo ao projeto do governo federal de baratear o custo da energia elétrica, é revelador de um traço distintivo do PSDB que andava anuviado sob o personalismo serrista: o caráter antipovo e anti-Brasil das decisões do partido.

A este traço vêm se somar a insensibilidade social - tão bem exemplificada na desfaçatez com que o governo paulista impede, com a medida tomada, que cidadãos e empresas gastem menos com energia elétrica num momento de crise econômica mundial – e a primazia que concede ao grande capital, cuja manutenção de altos lucros com pouco esforço cuida de assegurar. Fechando o círculo, a mídia amiga cuida de esconder do cidadão informações essenciais à compreensão do processo, como pode ser constatado no relato que a blogueira Maria Frô faz do comportamento da Folha de S. Paulo no caso em questão.

Não é nenhuma novidade esse elitismo insensível do PSDB. Quem vivenciou os dois governos de Fernando Henrique Cardoso pôde testemunhar, estarrecido, a uma ação governamental completamente dissociada do bem público e voltada tão somente a assegurar a maximização dos lucros financeiros, à custa da dissolução do Estado brasileiro – e, portanto, do sucateamento da saúde, da educação e da infraestrutura do país – e da submissão da economia às regras do mercado – ou seja, do abandono de setores industriais e empresariais em formação, condenados à bancarrota ante a competição internacional com produtos subsidiados em seus países de origem. Tudo isso sob o beneplácito de uma mídia deslumbrada e a indiferença de uma Justiça manietada (como demonstra com propriedade este post de Cynara Menezes).

Entretanto, a despeito de não constituir novidade, e, portanto, não surpreender, causa alguma estupefação esse comportamento peessedebista por estar diretamente ligado às razões que apearam o partido do poder e por evidenciar-se contraproducente em termos eleitorais – o que afigura-se proibitivo a um partido que está há uma década afastado do poder federal e acaba de sofrer uma fragorosa derrota nas eleições municipais, perdendo a prefeitura da maior cidade do país – até então um seu feudo – para o arqui-inimigo petista.

Com Alckmin impedido de tentar voos mais altos, sob o risco de os tucanos perderem também o governo para o PT, e com uma eventual candidatura Aécio cambaleando na imaturidade viciosa do senador mineiro, o PSDB, mesmo enfrentando um de seus maiores impasses desde sua fundação como partido social-democrata (hoje não é nenhuma coisa, nem outra, mas um anacrônico arremedo de conservadorismo e neoliberalismo), segue apostando contra os eleitores e a favor do grande capital.

Muitos podem achar bom, para a esquerda e para o petismo, que assim seja, pois gera mais um fator de enfraquecimento do conservadorismo. Tenho sérias dúvidas a respeito. Penso ser prejudicial para o país não contar com uma oposição programática, que entrasse na luta pela hegemonia e buscasse afirmar posições. Creio mesmo que o vácuo que hoje o elitismo a-ideológico do PSDB deixa na política acaba permitindo que o governo Dilma, em algumas áreas – como a trabalhista e a previdenciária -, ao invés de afirmar princípios programáticos e aprofundar conquistas, acabe por mimetizar posições anteriormente assumidas pelos tucanos, ocupando espaço e ampliando sua hegemonia entre parcelas do eleitorado conservador, como a posição a favor da manutenção do fator previdenciário criado por FHC e as ameaças de flexibilização de leis trabalhistas ilustram muito bem.

O avanço da democracia, no Brasil, passa pela constituição de uma oposição menos mesquinha e que, ao contrário do PSDB, não se deixe atrelar à defesa de interesses menores, de modo a elevar o nível do debate político e a representar um desafio constante, que impila as forças ora no poder a competirem pelo eleitor e a se aprimorar. 


(Imagem retirada daqui) 

4 comentários:

Adriano Matos disse...

Oi Mauricio. Você poderia, por favor, explicar em linhas rápidas como a não-renovação da concessão da CESP sabota o plano de redução das tarifas?

Maurício Caleiro disse...

Olá, Adriano,

A meta do governo de reduzir em ao menos 20% a tarifa paga, no país, pelo consumidor pressupunha a adesão de todas as concessionárias ao novo modelo proposto (através do qual elas seriam recompensadas com uma indenização fiscal).

Essa diminuição da conta beneficiaria não só o consumidor domiciliar, mas também o empresarial, o que poderia funcionar como um estímulo ao crescimento da economia.

Como a Cesp e parte da Cemig (da qual o tucano Aécio Neves é sócio) não aderiram, o governo federal terá de recalcular, para baixo, de quanto será a diminuição do preço final da energia.

Mesmo com a recusa dessas concessionárias em aderir, o governo, segundo o diretor-geral da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), Nelson Hubner, quer buscar outros meios para alcançar os 20% de redução do preço ao consumidor.


Att.,
Maurício.

5 de dezem

Adriano Matos disse...

Oi Mauricio. Obrigado pela resposta. Vou procurar acompanhar o tema. Pelo que entendo, a energia no Brasil é fundamentalmente de matriz hídrica e seus potenciais, as quedas d'agua, são propriedade da união. Nesse caso, só faz sentido as empresas deter a administração das usinas, uma vez que ativos construídos para a captação energética seriam necessariamente revertidos prá união ao final do contrato. Me pergunto se há outras matrizes envolvidas, tipo solar, térmica, etc.

Aproveito para parabenizá-lo pelo blog, mesmo sentindo na pele, PeTista que sou, suas duras e coerentes críticas.

OBS: O Nassif fará um Fórum temático próxima segunda-feira:
http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/forum-brasilianasorg-discute-energia-eletrica-no-brasil

Maurício Caleiro disse...

Obrigado, Adriano!