Os textos deste blog estão sob licença

Creative Commons License

sábado, 26 de junho de 2010

Dunga versus Globo: a guerra dos patos mancos

Essa rixa entre Rede Globo e Dunga, que tem mobilizado apaixonadamente a internet, me diz muito pouco. A princípio, sou contra os dois lados envolvidos.

É evidente que o virtual monopólio da seleção brasileira que a Rede Globo, em conluio com a CBF, sempre exerceu nas Copas do Mundo é nocivo à pluralidade jornalística e constitui um fator relevante de manutenção do poderio comunicacional da emissora, com tudo de nefasto que tal situação traz em seu bojo.

Trata-se de uma relação que emula, no âmbito nacional, as vicissitudes do inacreditável oligopólio que a FIFA exerce no futebol mundial e, de forma marcante, no torneio em questão, perpetuando um anacronismo que por um lado teima, em plena era da cibercultura, em controlar com mão de ferro os direitos de transmissão dos jogos; enquanto, por outro lado, impedindo o uso de tecnologia avançada para arbitrar os jogos, permite, aos olhos do mundo todo, excrescências como o escandaloso gol de mão que levou a ora desclassificada França à Copa, deixando a Irlanda de fora do torneio. Pessoas minimamente racionais teriam dificuldades de levar o futebol a sério como esporte depois do ocorrido.

Mas se o monopólio global no futebol é nocivo por isso e pelo que representa de arrogância e de manipulação do imaginário futebolístico segundo interesses privados – com tudo o que tal dinâmica implica em termos políticos em um país como o Brasil –, os modos truculentos de Dunga não estão menos dissociados de um arquétipo machista, patriarcal e ditatorial que teima em assombrar a nossa história enquanto país.

Seus modos ríspidos, sua agressividade latente, sua aversão a qualquer forma de hedonismo – da qual deriva o controle extremo das atividades sexuais dos jogadores - sempre me trazem à mente a pergunta em forma de canção: “Será que nunca faremos senão confirmar/A incompetência da América católica/Que sempre precisará de ridículos tiranos?”.

Tenho sérias dúvidas se é mesmo ao catolicismo que devamos cobrar o ônus da fixação nacional por tipos patriarcais repressivos, da qual o esporte é prolífico - que o digam Bernardinho, Felipão, Luxemburgo, Dunga. De minha parte, desprezo essas figuras e anseio pelo dia em que a idolatria dos anti-valores que representam saia do horizonte nacional.

Para mim, isso seria incomparavelmente mais importante do que ganhar ou perder uma Copa do Mundo – que cada vez se evidencia mais como um torneio meramente comercial, morno, com a maioria dos jogadores esgotados fisicamente ao final do calendário dos milionários torneios europeus. Para completar, a cobiça é tanta que a cartolagem não hesita em sacrificar o já parco espetáculo impondo a utilização de uma bola heterodoxa... Seria cômico se não fosse trágico...

Ademais, não acho que, em nome da luta política, tenhamos de sacrificar a educação e passar a apoiar a agressão pessoal a jornalistas (ou a membros de outra categoria profissional), que foi o que o técnico da seleção fez com Alex Escobar. Hay que endurecer... etc.

Aliás, acho curiosa a capacidade dos que ora entronizam Dunga como herói anti-corporativo de convenientemente esquecer que ele, sem um histórico mínimo como técnico, não comanda uma das principais – e mais lucrativas – seleções do planeta por meritocracia, mas tão-somente pela confiança que o ultracorporativo Ricardo Teixeira, eterno cartola-mór da CBF, nutria por ele.

Escolhido, via dedazo, por "critérios" puramente corporativos - portanto, antidemocráticos -, Dunga vira o herói anti-establishment de setores da internet - que às vezes parecem fazer questão de nutrir seus detratores com munição desqualificante.


(Imagem do técnico Yustrich retirada daqui)

2 comentários:

josy disse...

estou contigo Dunga.... se imponha mesmo... e traga a taça para a globo ficar bem quietinha na dela, e se não trouxer os 80 milões de brasileiros estaram do seu lado do mesmo jeito... vamo que vamo... brasssiiiillll!!!!!!!!!!!!!!

Victor disse...

Achei seu blog graças à um RT da Gisele Secco. Confesso que li apenas o post sobre o Dunga, dando uma rápida olhada nos demais para entender em que contexto deveria situar seus comentários sobre o técnico.

Bem, não gosto de nenhum dos lados dessa briga também. Mas sobretudo porque o Dunga, há vinte anos, representa o oposto do que deve ser o futebol brasileiro. Não é porque perdeu que aquela seleção de 2006 é inferior à esta.

Quanto à FIFA e o uso da tecnologia para evitar as mãos divinas, sou obrigado à discordar diametralmente de você. Em primeiro lugar porque penso que a mão de Henry não foi um erro de arbitragem, mas uma decisão em prol de uma seleção que, em termos de marketing e propaganda, representa muito mais do que a pobre seleção da Irlanda. Em segundo lugar, porque vejo uma decisão de usar tecnologia para evitar erros de arbitragem (como o que resultou no gol do Tevez contra o México ontem) não representa uma melhoria pontual, mas uma verdadeira "mudança de paradigma" no futebol. E também me parece que quaisquer paradigmas onde as tecnologias exerçam um papel protagonista nas tomadas de decisão humana "desumanizam" o homem. Esses dias ouvi que jogadores como Cristiano Ronaldo, Messi e Kaká são jogadores que "jogam para o YouTube". Isso faz algum sentido. Há quem diga mesmo que há quem se comporte como se estivesse diante de uma câmera desde antes da câmera ser inventada. Como você observa no post da Manuela, belos resultados podem ser obtidos por isso. Acrescento: a despeito de que sejam artificiais? Acho que uma decisão de um árbitro sem auxílio tecnológico será sempre mais "natural". Mas confesso reconhecer que é um pouco de preconceito da parte de alguém que tem um pouco de medo do futuro.

De qualquer forma, bela postagem. Um abraço.