quarta-feira, 24 de setembro de 2014

A campanha na lama

Há tempos tornou-se frequente, no jornalismo brasileiro, uma crítica generalista à internet, tida e descrita como “terra de ninguém”, meio de expressão de ódios represados e ataques pessoais. As caixas de comentário dos portais e dos jornais e a correspondência eletrônica endereçada aos jornalistas seriam a prova cabal do baixo nível.

O choque de Chico Buarque ao se defrontar, pela primeira vez, com a agressividade na rede tem sido citado de forma recorrente por profissionais de imprensa como exemplo de que estão certos: para muitos, durante um longo período, um ídolo quase unânime, exemplo de beleza, talento e combatividade, o compositor de “Apesar de você” descobriu que um número não desprezível de internautas o considera um velho caquético e merecedor das piores pragas e impropérios. Reagiu com humor.



Esvaziamento da política
Durante anos, enxerguei nessa crítica à internet um misto de parcialidade (pois só retrata o lado negativo da web), preguiça (de pesquisar, descobrir e valorizar suas fantásticas possibilidades, comparativamente maiores) e, sobretudo, orgulho ferido de jornalistas contra o meio que lançou a imprensa e a mídia, de modo geral, em uma dupla crise: comercial, graças à diversidade e ao volume de informação oferecida, muitas vezes gratuitamente; e de credibilidade, já que ficou muito mais fácil investigar e divulgar as omissões, armações e erros midiáticos, bem como desvendar os interesses que eventualmente os motiva.

Tais ressalvas continuam, em larga medida, a parecer-me válidas, mas ora mostram-se relativizadas pelo modo como a política vem sendo instrumentalizada pela internet nas eleições atuais, num processo em que ao esvaziamento da reflexão mais aprofundada corresponde a disseminação de um festival de ataques baixos e tentativas de desqualificação do opositor, transformado em inimigo a ser aniquilado.



O protagonismo das redes
As redes sociais têm tido um papel fundamental em tal processo. Seu poder mobilizador deriva do fato de, por um lado, inserirem-se como um elemento cotidiano na vida de muitos cidadãos e, por outro, retroalimentarem tanto os marqueteiros de campanha quanto a cobertura midiática. Isso se dá, em primeiro lugar, pela própria natureza das redes sociais, velozes, voláteis e baseadas em uma lógica de agrupamento de pessoas com ideias, gosto ou preferências afins, e com tendência a facilitar a criação de “ondas”, movimentos de manada intensos, porém breves.

A duração de tais movimentos, medidos em horas, no máximo dias, faz com que sirvam como uma luva, por um lado, para o marqueteiro político, ávido por um feedback diário para fazer correções pontuais no desempenho de seu candidato; e, por outro lado, para a imprensa, notadamente a diária, cuja periodicidade tende a combinar com a do ciclo de renovação dos temas nas redes, e a mídia, engessada pelas proibições da Justiça Eleitoral e necessitada de pautas que aliem o interesse do leitor/espectador e as eleições.



Egolatria
Pode-se argumentar, como contraponto, que as redes sociais fizeram com que aumentasse o interesse geral por política. Isso pode até ser verdade, porém a política nas redes sociais tende a ser presa de uma economia libidinal tipicamente pós-moderna, sendo submetida às recompensações egoicas do internauta, renovadas em intervalos de poucos segundos, a cada “curtir” no Facebook ou “RT” ou favoritada no Twitter. Trata-se de um processo que, do ponto de vista subjetivo, encerra-se em si mesmo, porém gerando graves consequências por ocupar sub-repticiamente o lugar – e, em determinado grau, dificultar o exercício – da reflexão e do debate aprofundado sobre questões políticas.

Temos, portanto, uma lógica alimentada pelo próprio modo de operação do usuário com a rede social, em que o espaço para a explanação de projetos políticos e para o debate e o embate de propostas é, em grande parte, ocupado em prol de uma espécie de jogo competitivo cujo objetivo varia entre uma mesquinha recompensa egoica e a questionável realização de marketing eleitoral de colocar um tema entre os mais debatidos do dia.



Mercenários virtuais
Esse cenário, por si só preocupante em uma democracia com tantas urgências e com tanta carência de propostas planejadas no médio e longo prazos, agrava-se com a ação de agentes contratados pelos partidos para, no mais das vezes sem identificarem-se como tal, agir nas redes sociais em prol de determinada(s) candidatura(s).

Fora do radar da Justiça Eleitoral, operando diuturnamente e sob a coordenação do marketing das campanhas, esses agentes, frequentemente com uma formação política precária ou quase nula, pouco colaboram para o debate ou para o aprofundamento desta ou daquela questão: sua função é martelar slogans, plantar suspeitas e desferir ataques que atendam aos objetivos traçados pela estratégia de marketing do partido.



Ataque deliberado
Mas o protagonismo das redes sociais e, nelas, a indistinção entre cidadãos engajados e mercenários não seriam suficientes para explicar o baixíssimo nível das eleições presidenciais deste ano – mesmo porque as redes sociais já eram atuantes em eleições anteriores e, embora partidários de um e de outro candidato se digladiassem entre si e um certo nível de baixaria sempre houvesse, jamais praticamente monopolizaram a campanha como ocorre agora.

Pois o que nós estamos assistindo, não raro enojados, é fruto de estratégia deliberada de marqueteiros, ciente das características pouco aprofundadoras das redes sociais e do estado de “eterno presente” em que tendem a manter o internauta, engajado como que num videogame em que batalha por seu candidato.

Sabem que esse formato competitivo, baseado na recompensa egoica pessoal e na identificação de grupo, sob o comando de suas diretrizes, tem como consequências óbvias o primado dos ataques estereotipados, pespegados através de slogans martelados ad infinitum, em detrimento das nuances, ponderações e do aprofundamento necessários a um debate efetivo de projetos políticos. Assim, serve, ainda, como uma forma de acobertar a ausência de um programa de governo detalhado por parte de algumas forças políticas, desviando a atenção dos eleitores para questões incomparavelmente menos importantes, como quantas curtidas recebeu seu post no Facebook ou qual a tag que terminou o dia em primeiro lugar nos trending topics do Twitter, se a dos apoiadores de Dilma, de Marina ou de Aécio.




Estratégia da desqualificação
Nenhuma dessas três candidaturas mais competitivas está, evidentemente, isenta de um certo grau de agressividade nas redes socais – o que, de certa forma, vem a corroborar o que foi dito sobre a natureza de tal meio virtual. A rigor, seria, porém, injusto dizer que tais manifestações violentas se equivalem ou que são meramente reativas. A estratégia traçada pelos marqueteiros das campanhas acaba por influenciar de forma determinante o grau de agressividade nas redes e, desse modo, o PT assumiu, nestas eleições presidenciais, o papel que tradicionalmente era atribuído ao PSDB de José Serra, como o partido cujos militantes virtuais têm feito um uso mais agressivo da rede e sobre o qual recai o maior número de suspeitas quanto à ação de agentes pagos.

E como Marina Silva é, até o momento, a candidata que efetivamente ameaça a continuação do projeto petista de poder, a campanha contra ela, ininterrupta desde o final do velório de Eduardo Campos, atingiu um grau de agressividade que talvez só a de Fernando Collor contra Lula, em 1989, tenha logrado igualar.

Em mais uma prova de que história só se repete como farsa, o PT reedita, neste momento, contra Marina Silva, a campanha do medo da qual foi alvo em 2002. Desta feita, porém, com a própria presidente Dilma Rousseff encarnando a Regina Duarte da vez, numa tática ofensiva ao passado político do PT, à candidata petista e à liturgia da Presidência.



Enfraquecimento da democracia
Assiste-se, assim, a um verdadeiro festival de baixarias, em que o trato civilizado entre ex-aliados, hoje em oposição, dá lugar a uma catarse em que o ódio serve de alimento às agressões pessoais. Para além de seu significado em termos propriamente partidários, trata-se de um retrocesso lamentável para a ainda jovem democracia brasileira.

Pois, fenômeno global, o aspecto por demais cosmético do marketing político na atualidade, por mim abordado em outro artigo), introduz por si uma transformação – da política em objeto de consumo – altamente negativa para o avanço democrático.

A corrente despolitização das eleições, transformadas num jogo de difusão de boatos, meias verdades e tentativas incessantes de desqualificação pessoal do adversário vai além: desqualifica a própria democracia, enfraquecendo-a, num gesto irresponsável e temerário para o futuro politico do país.



Reação institucional
Urge, porém, que os setores democráticos da sociedade brasileira se unam para que medidas sejam tomadas no sentido de impedir que os ataques baixos e o esvaziamento dos debates dominem as futuras eleições no Brasil.

Há de se aprimorar a legislação eleitoral, adaptando-a a tempos cibernéticos, e de se estabelecer uma ação mais efetiva da Justiça Eleitoral: a exigência de que todos os partidos apresentem programas de governo detalhados, com indicativo da fonte de receitas e adequação a normas preestabelecidas, um maior espaço para o debate de política na mídia e nos meios educacionais, além de punições efetivas e rigorosas no sentido de coibir as campanhas difamatórias e o jogo baixo seriam medidas bem-vindas no curto prazo.

Faz-se necessário, o quanto antes, que mídia e sociedade organizada trabalhem no sentido de diminuir o peso do marketing político e das táticas de desqualificação e enfrentamento através do incentivo constante ao diálogo com o poder e ao debate de programas partidários e demandas sociais antes e durante as eleições, no sentido de resgatar, também na política, o “tempo da delicadeza” de que, em uma de suas mais belas canções, nos fala Chico Buarque.


###


Publicado originalmente no Observatório da Imprensa. Foram feitas pequenas alterações.






sábado, 20 de setembro de 2014

Jogo sujo nas eleições demanda reação

"Marina vai acabar com o Bolsa-Familia e liberar o trabalho escravo; o Estado vai deixar de ser laico e virar evangélico, com gays e ateus perseguidos nas ruas; a Petrobras e o Pré-Sal serão privatizados e, com a economia estagnada para preservar o meio ambiente, o Banco Central, nas mãos do Itaú, vai mandar no governo. Ah, e vai voltar a censura".

Quem frequenta redes sociais se depara a todo momento com afirmativas muito similares às acima reproduzidas, marteladas por perfis petistas, sobre que virá a ser um futuro governo Marina Silva. Um verdadeiro Festival de Besteiras que Assolam o País (FEBEAPÁ, como diria Stanislaw Ponte Preta). Seria cômico se não fosse trágico (e uma porcentagem de eleitores nelas não acreditasse).



Na falta de realizações...
A boataria é parte da estratégia que adotaram para tentar vencer essas eleições: desqualificar e difamar ao máximo a única candidatura que ameaça a reeleição dé Dilma Rousseff, difundindo o medo. Esse jogo baixo faz com que estejamos tendo a eleição mais suja do período pós-ditadura.

Por que os petistas, tão difamados no passado, quando opunham a esperança ao medo – lembram-se?- agem desse modo?

A resposta é óbvia: após 12 anos de PT no poder, o que têm a apresentar aos eleitores não é suficiente para garantir a reeleição. A economia está em recessão técnica, com o segundo menor PIB da América Latina e percepção de inflação bem mais alta do que sugerem os índices, além de desindustrialização e sinais generalizados de retração da atividade econômica; a Petrobras,sabe-se agora, além de barbeiragens a granel, vinha sendo dilapidada pela corrupção; a violência torna-se epidêmica; a saúde alterna macas nos corredores e falta crônica de remédios, inclusive para doenças graves. Isso sem citar os efeitos da combinação de autoritarismo com modelo arcaico de desenvolvimento.

Como angariar eleitores com tal "currículo"? Resta aos petistas difamar o adversário para subtrair-lhe votos, sem a mínima consideração com a ética na política, na base do vale-tudo. Daí o fato de até a presidente Dilma Rousseff negligenciar a liturgia do cargo e, tal como uma Regina Duarte rediviva, viajar o Brasil divulgando os horrores que, segundo ela, nos trará uma presidência Marina Silva.


Tática deliberada
Acontece que a baixaria não é fruto apenas do voluntarismo de militantes aloprados. Segundo reportagem desta semana da revista Época, a campanha de ataques vem sendo coordenada a partir do Muda Mais, instituto de Franklin Martins que, por razões óbvias, primeiro quis atuar incógnito, depois foi obrigado pela Justiça Eleitoral a assumir-se como órgão petista.

As redes sociais foram privilegiadas como estratégia eleitoral justamente porque nelas a expressão individualizada disfarça as estratégias coletivas, além de serem menos suscetíveis aos rigores da Justiça Eleitoral (não obstante calúnia, injúria e difamação constituírem crimes contra a honra, convém sempre lembrar).

Os ataques, incessantes desde o final do velório de Eduardo Campos, demoraram a surtir efeito nos índices de votação de Marina Silva, mas, segundo a última pesquisa Datafolha, por fim vingaram. E, assim sendo, o marketing petista, com a sem-cerimônia que o caracteriza, já anuncia que vai ampliá-los.



Reações necessárias
Não se trata de mera questão de preferência partidária, ainda que assumidamente esta esteja também em jogo. É pelo próprio bem da democracia que a Justiça Eleitoral deveria atuar de forma mais atenta contra os abusos, repetitivos e disseminados de forma impune por avatares, blogueiros “progressistas” e tuiteiros que, renunciando a qualquer consideração ética ou preocupação quanto ao futuro de sua imagem pública, se transformaram, no vale-tudo pela reeleição de Dilma, em verdadeiros jagunços virtuais.

A campanha de Marina Silva, por sua vez, deveria não só de denunciar com mais veemência a campanha que ora sofre, mas, já que os desmentidos que a toda a hora vê-se obrigada a publicar estão longe de obter o mesmo alcance do ataque difamatório petista, mobilizar seus próprios apoiadores para que - sem incorrer no baixo nível predominante - o denuncie e refute, restaurando o primado do dito sobre o não-dito, do fato sobre o boato, da verdade sobre a mentira.

Além disso seria proveitoso, para a elevação do nível do debate politico. que os cidadãos e cidadãs que condenam tais métodos, marinistas ou não, reajam, denunciem, refutem, não deixem o difamatório e falseador prevalecer, sobretudo ante eleitores que não têm capacidade ou preparo para discerni-lo do que é verdadeiro.



Democracia sob ameaça
Estamos diante de um impasse que pode ser decisivo para o futuro da democracia e das eleições no país. Uma vitória petista conquistada a partir do uso de táticas de desqualificação, difamação e difusão de boatos inverídicos, sem que tenham sequer apresentado um Programa de Governo, representará um alvará para a baixaria, fazendo das próximas eleições um espetáculo de ataques, mistificações e engodo eleitoral digno da Republica Velha.

Chega de vale-tudo. Um governo ético começa na campanha.


(Imagem retirada daqui)

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Encontro com artistas reenergiza campanha de Marina


O encontro de Marina Silva com os artistas, no Rio, marcou um ponto de virada na campanha.

O sorriso aberto de Marina ouvindo a linda canção que Gil fez para ela foi a resposta, redentora, a semanas de artilharia pesada, com os petistas batendo, difamando, distorcendo, numa estratégia de disseminar o medo e a insegurança que diz muito sobre a transformação do partido e seu apego ao poder.

Até Fernando Henrique soube disputar com mais lealdade e encarar a possibilidade de derrota sem apelar para as baixarias hoje corriqueiras.

E qual o resultado de tanto jogo sujo, em que até a presidente esqueceu-se da liturgia do cargo e encarnou uma Regina Duarte extemporânea, fingindo temer que Marina fizesse o que jamais aventou fazer? Marina caiu um mísero ponto e Dilma, três.

Isso em termos de porcentagem de intenção de votos. No placar da decência e da ética, os números são bem diferentes.
A diferença entre o sorriso aberto de Marina, expressando a capacidade de regozijo e gozo da vida, e a face sempre contrita de Dilma, encimando uma expressão corporal travada, que sugere autoritarismo e repressão, deixa claro essas diferenças. A campanha propositiva de uma, e desqualificadora, de outra, só vem explicitar as diferenças de ânimo e caráter entre as duas candidatas.

Em 2002, o momento de virada da campanha de Lula foi também o encontro com os artistas, no Rio. Bem diferente do frio apoio burocrático que Dilma deles recebeu. Já no encontro dos artistas com Marina reinou o autêntico espírito de festa, espontâneo e contagiante, presságio de novos tempos.




Ouça a música de Gil, apresentada ao público pela primeira vez:


(Imagens retiradas, respectivamente, daqui e dali)

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Marina e o bombardeio inútil

A candidatura de Marina Silva demonstra, neste momento, um grande poder de resistência, após duas semanas de incessante bombardeio: de um lado, a mídia corporativa que apoia Aécio Neves, com manchetes diárias; de outro, o petismo, com um exército de ativistas empenhados em um vale-tudo cujo objetivo maior não é divulgar as próprias propostas, mas desqualificar, assassinando a reputação da ex-aliada.

Em termos eleitorais, o resultado de quinze dias de baixaria é, até agora, pífio: Marina mantém, nas pesquisas, os mesmos percentuais de voto e Dilma oscilou um misero pontinho acima, no que foi saudado pelo militontismo delirante como “recuperação” e “virada de jogo”. Voltemos ao mundo real: no segundo turno, os prognósticos continuam sendo de uma avassaladora vitória da candidata do PSB, por 10 pontos de vantagem.



Contra o feiticeiro
Os especialistas em eleição costumam afirmar que o eleitor brasileiro não gosta de ataques baixos, os quais tenderiam a lhe parecer antes fraqueza de quem ataca, gerando resultados nulos ou mesmo contraproducentes. Esta seria uma possível explicação para a ineficácia do pega-pra-capar contra Marina aplicado diuturnamente, sem descanso, pela grande mídia e pelos ativistas petistas, alegadamente tão antagônicos entre si, mas idênticos nos métodos baixos que os últimos outrora condenavam.

Outro modo de explicar tal fenômeno seria a de que o eleitor já se deu conta de que basta uma breve mirada histórica para constatar que os petistas, após 12 anos no poder, não têm moral para fazer as acusações que fazem a Marina. Por exemplo, como pode a candidata Dilma acusar sua adversária de ser “o novo Collor” se este, apesar de seu passado na Presidência e de todo o despudor com que manipulou eleitoralmente a filha de Lula contra o ex-presidente, é hoje um aliado preferencial do Planalto?



Amnésia seletiva
Como pode a campanha do PT tentar difamar Marina por esta defender um Banco Central independente, se nos oito anos do governo Lula tal independência foi rigorosamente obedecida, e por imposição internacional? (foi uma das exigências dos EUA para avalizar um empréstimo-ponte acordado por FHC e Lula em Washington, como forma de evitar que o petista recebesse, em janeiro de 2003, um país quebrado. A escolha do nome de Henrique Meirelles foi parte do acordo).

Como pode a campanha dilmista pretender acusar Marina de submissão ao poder religioso, se um dos traços distintivos do governo Dilma foi o extremo conservadorismo das políticas de gênero e comportamentais ditado justamente pelo acordo com a bancada evangélica, responsável por episódios lamentáveis como o veto ao “kit-gay”?

A campanha petista pensa que os eleitores são idiotas, que esqueceram que o PT permitiu ao “pastor” ultraconservador Marcos Feliciano presidir a comissão de Direitos Humanos da Câmara, numa demonstração acintosa do desprezo de Dilma Rousseff por tal tema? Ou que evaporou da memória do eleitorado a presença oficial da presidente Dilma na inauguração do templo faraônico da igreja do “bispo” e dono de império de comunicação Edir Macedo?



Dilma Duarte
Em mais uma prova de que história só se repete como farsa, o PT reedita, neste momento, a campanha do medo da qual foi alvo em 2002. Desta feita, com a própria Dilma encarnando a Regina Duarte da vez. Bradam que as conquistas sociais estão sob ameaça e que a politica econômica, sob Marina, será um retrocesso ao neoliberalismo.

Trata-se de uma dupla inverdade. Em primeiro lugar, porque Marina Silva, além de manter os programas de transferência de renda que começaram, foquistas, com FHC e se avolumaram consideravelmente com Lula e Dilma, vai restabelecer interlocução e assistência a setores da população que o próprio modelo “Brasil Grande” de desenvolvimento adotado por Dilma alijou e alienou. É o caso, notoriamente, dos indígenas e das populações nativas da Amazônia, dos setores da juventude e da classe média que não se identificam com o petismo e são sacrificados pelo modelo econômico adotado (que beneficia a base e o topo da pirâmide socioeconômica), bem como pelos manifestantes que tomaram as ruas do país a partir de junho de 2013 e que o petismo primeiro renegou, depois tentou cooptar, e por fim reprimiu brutalmente, aludindo a teorias conspiratórias e sem sequer entender do que se tratava.



Truques econômicos
Em segundo lugar, porque entre o programa da candidata do PSB relativo à economia e a política econômica dos 12 anos de petismo no poder não dá pra espetar um alfinete: são rigorosamente iguais. Não há uma só proposta relativa a tal área, no Programa de Governo do PSB, que Lula ou Dilma não tenham adotado em algum momento.

A crise econômica, cuja prova mais evidente é o fato de estarmos em recessão técnica e com PIB abaixo de um por cento, não é fruto de eventual heterodoxia, mas das barbeiragens da equipe econômica do governo Dilma, que no bojo de um modelo de desenvolvimento arcaico e predatório, insiste em um padrão esgotado de estímulo ao consumo e de concessão de isenção fiscal sem exigir contrapartida por parte dos setores beneficiados – notadamente, o automobilístico e o imobiliário. E, justamente por sua falta de coragem em confrontar o mercado e oferecer uma alternativa ao modelito neoliberal, prefere renegar a todo instante segui-lo, ainda que para tal faça uso de maquiagem de índices e de truques internos ora sob investigação do Ministério Público.



Tudo pelo poder
A atual campanha ilustra de forma explicita o messianismo, o fanatismo e o apego extremo ao poder que são hoje, características distintivas do petismo. A um processo de negação da crise econômica atual e dos diversos aspectos negativos que, em longos 12 anos de administração, não tiveram competência de mitigar, soma-se a tendência a se autoatribuírem a exclusividade na concessão de benefícios sociais e em governarem para a sociedade. O maior triunfo do petismo é multiplicar a fortuna das elites financeiras e agrárias e, ao mesmo tempo e mesmo assim, convencer a tantos que é uma força de esquerda.

Essa conversa mole pode funcionar entre fanáticos da seita, entre ativistas virtuais remunerados e blogueiros temerosos de perderem o patrocínio de estatais, mas não resiste ao exame rigoroso dos fatos. O PT é hoje um partido preso a alianças elásticas (e aos compromissos que elas trazem), a ponto de se descaracterizar como força da esquerda. Adotou uma ética tão flexível que nem o trauma do “Mensalão” foi capaz de provocar uma revisão das práticas e de sua axiologia de forma a resgatar os valores de suas primeiras décadas de existência, sacrificados em prol de um ultrapragmatismo em que o que interessa é o poder pelo poder, não importa a que preço.



Maniqueísmo
Os adversários, alvo de artilharia pesada, são caricaturalmente tipificados de acordo com um maniqueísmo tão irreal quanto pouco inteligente. A caracterização que ora fazem de Marina Silva parece saída de um conto de fadas ruim: maléfica, pérfida, arrogante, hesitante, fanática. Em pleno 2014, nem uma criança acreditaria em uma personagem tão desprovida de nuances ou qualidades.

Há de se perguntar como tal bruxa repugnante pôde fazer parte da história petista por tantas décadas e com tanto destaque, sendo uma internacionalmente reconhecida ministra do Meio Ambiente nos sete anos que serviu ao governo Lula e chegando a disputar com Dilma a preferência como sucessora deste. Que mudança terrível em tão pouco tempo teria afligido a criatura?!



Sem medo do debate
Desacostumados, na última década, do saudável exercício da autocrítica, substituído pela transferência automática de culpas à mídia (que covardemente se recusaram a regulamentar) ou a Joaquim Barbosa e aos ministros do STF que condenaram os réus do “Mensalão” (em sua maioria, por Lula e Dilma nomeados), os petistas passaram a se assemelhar, cada vez mais, a uma seita, baseada em dogmas e fanatismo, mas não na leitura criteriosa do fatos e na prática ética da politica. Pois nesta, propostas, diálogo e respeito aos demais candidatos e eleitores se sobrepõem aos ataques desqualificadores.

Enquanto a baixaria petista corre solta, num desserviço às práticas políticas no país e às eleições, Marina Slva segue fazendo uma campanha sóbria, baseada em programas, sem ataques desqualificadores e comparecendo às entrevistas e debates, de modo a debater suas propostas. Pode-se ou não identificar-se com elas e na candidata votar - isso é uma decisão que pertence a alçada individual -, mas há de se reconhecer que se Dilma e o PT fizessem o mesmo, ao invés de só lançarem pedras, teríamos um confronto de ideias e de programas digno de uma democracia. Não é o caso.


(Imagem retirada daqui)